Cabeçalho 1

5 de jul de 2011

Governador não conhece caso dos PMs excluídos?

Questionado por jornalistas da Rádio Guarujá, de Florianópolis, o governador Raimundo Colombo declarou que vai estudar a situação dos 19 policiais militares expulsos por participar do movimento reivindicatório de dezembro de 2008 e a aplicação da anistia.

Ouça trecho editado da entrevista realizada na tarde de segunda-feira (04/07):

 

Em resumo, quis dizer que desconhece a situação. Quem acompanha o assunto de perto sabe que isso não é verdade. Em pelo menos seis situações o governador tomou conhecimento da Lei 12.191/2010:

1°- Durante a campanha de 2010, no dia 29 de abril, o então candidato Raimundo Colombo recebeu um grupo de policiais e bombeiros militares no Colégio Salesiano, Centro de Itajaí, para uma conversa sobre as demandas da categoria. Representantes da Aprasc da região informaram ao candidato que a principal bandeira dos praças é aplicação da anistia. Chegou-se até a explicar o funcionamento dos conselhos de disciplinas. Como testemunha, participou o vereador de Itajaí, Laudelino Lamim (PMDB), que além de policial militar da reserva, na época era candidato a deputado estadual.

2°- Colombo também tomou conhecimento do assunto no último debate do 1º turno entre os candidatos ao governo do Estado, no dia 29 de setembro do ano passado, através de pergunta feita pelo concorrente do Psol, o professor Valmir Martins. Colombo respondeu que a polícia foi politizada (!?), situação que não aprovava. Valmir retrucou que a PM precisa ser pacificada.

3º- A Aprasc, no início do mandato (3 de fevereiro) e no dia 13 de junho, enviou ofícios (veja aqui, aqui e aqui) ao governo pedindo o cumprimento da anistia - sempre como prioridade.

4- No dia 5 de abril, um grupo da Aprasc foi recebido pelo secretário de Estado da Segurança Pública, César Grubba, quando também foi apresentada a anistia como pauta número 1 da categoria. O secretário afirmou que o assunto é de conhecimento do governador e que ele e o procurador do Estado, Nelson Serpa, têm se reunido para discutir o assunto.

5º- Em pelo menos cinco vezes oportunidades, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, cargo de confiança do governador, foi informado pelo deputado Sargento Amauri Soares que os 19 PMs estão esperando a aplicação da Lei da Anistia.

6º- Como senador, Colombo conhece bem a matéria porque a lei tramitou no Senado Federal quando ele era líder do Bloco Parlamentar da Minoria e encaminhou voto favorável ao projeto.

Se mesmo assim o governador insistir em afirmar que desconhece a Lei da Anistia, fica a dica do comunicador Hélio Costa: "Governador, se o senhor reincluí-los, o senhor vai fazer um grande bem para vários pais de família, que apenas reivindicavam melhorias salarias, e vai estar cometendo um ato de grandeza".

Terça-feira, 5 de julho, completa  538 dias sem cumprimento da anistia em SC.