Cabeçalho 1

5 de nov de 2010

Concurso da Polícia Militar com procura reduzida

Mesmo com um adiamento, o concurso para soldado da Polícia Militar de Santa Catarina recebeu 3.976 inscrições para 1.860 vagas, ou seja, apenas 2,13 candidatos por vaga. O motivo alegado para a primeira prorrogação foi a greve dos bancos, que acabou inviabilizando o pagamento da inscrição.

O número de pretendentes ainda pode diminuir durante todo o processo seletivo já que o candidato precisa apresentar nota mínima na prova escrita e ser aprovado em exames médico, físico e psicológico, além da avaliação social.

É a primeira vez que o concurso para soldado exige curso superior. Esse pode ser um dos motivos para a pouca demanda. Os baixos salários, a pressão e os riscos inerentes à profissão, o regime militar e a falta de perspectiva na carreira de praças completam o quadro da rejeição.

Dúvida

Há ainda o fato de o concurso excluir os tecnólogos - graduação de nível superior reconhecida pelo Ministério da Educação. A lei de ingresso na PM, de iniciativa do governo do Estado, prevê a contratação apenas de bacharelado e licenciatura.

Existe um projeto de lei complementar tramitando na Assembleia Legislativa para corrigir a legislação, que já foi vetado pelo governador por vício de origem. Os deputados prometem derrubar o veto, mas ainda não há data marcada para isso. Com o fim da inscrição para o concurso da PM e a possível aprovação do PLC, não se sabe como vai ficar a situação dos tecnólogos que ainda desejam se inscrever.

Civil

No âmbito da Polícia Civil a procura é maior. Para os cargos de agente são 6.136 candidatos para 361 vagas (relação de 17 pretendentes por vaga); escrivão, 5.033 candidatos para 185 vagas (27,2); e psicólogo, 1.395 candidatos para 67 vagas (20,8).