Cabeçalho 1

28 de dez de 2009

Tarso vai deixar o ministério. Barreto pode assumir

Empatado tecnicamente na disputa pelo governo do Rio Grande do Sul, de acordo com o Datafolha, com o prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PMDB), o ministro da Justiça Tarso Genro (PT) pode deixar o cargo ainda no começo de fevereiro. Não está certo ainda quem vai assumir o seu posto, mas tudo leva a crer que pode ser o secretário-executivo do ministério, o economista Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto.

Funcionário de carreira da Justiça há 20 anos, Barreto é ligado à Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Ele é coautor, ao lado do ministro da Defesa Nelson Jobim (PMDB), do projeto de colocar as Forças Armadas para combater o crime comum, realizando atividades de polícia ostensiva e, quem sabe, judiciária.

É dele também o voto de desempate no Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) a favor da extradição do militante político italiano Cesare Battisti - o que acabou levando o caso para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Votos

Em tempo, ainda segundo o Datafolha, Fogaça e Genro têm 30% das intenções dos votos dos gaúchos, incluindo no cenário os votos para a atual governador Yeda Crusius (5%). Sem ela, cada um tem 31%.

Beto Albuquerque (PSB) vem em seguida com 8%. Pedro Ruas (Psol) e Paulo Feijó (DEM), o atual vice-governador, apresentam 1%.