Cabeçalho 1

19 de jul de 2012

Entidades se manifestam a favor do coronel Masnik

À autoexoneraçao do comandante-geral do Corpo de Bombeiro Militar, coronel José Luiz Masnik, se seguiu uma inequívoca campanha de solidariedade. Além de manifestações pessoais nas redes sociais, em especial Facebook e Twitter, as associações classistas representantes dos bombeiros também se posicionaram.

A Associação de Praças de Santa Catarina (Aprasc), pelo lado dos soldados, cabos, sargentos e subtenentes, e a Associação de Oficiais Militares de Santa Catarina (Acors), dos oficiais, emitiram, cada uma, nota transmitindo contrariedade com a saída do comandante.

O jornalista Carlos Damião, do jornal Notícias do Dia, chegou a escrever em sua coluna diária, de 19 de julho, que "nunca antes na história catarinense um comandante do Corpo de Bombeiros recebeu tanto apoio (...) As redes sociais 'bombaram' nas últimas 48 horas, com centenas de mensagens, inclusive de outros Estados".

Leia a seguir as manifestações:


Nota da Aprasc de apoio ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar

A Associação de Praças do Estado de Santa Catarina (APRASC) manifesta seu irrestrito apoio ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, coronel José Luiz Masnik, quando este se recusa a reduzir as escalas de serviço dos bombeiros militares, mesmo diante da pressão, ou da ordem, do Governo do Estado.

O objetivo do governo com a mudança de escalas nas instituições de segurança é reduzir os gastos com pagamento de horas extraordinárias. No entanto, esta medida prejudica diretamente a sociedade, uma vez que, obedecida a vontade do Palácio, teremos 25% a menos de efetivo em cada turno de trabalho. Em muitas cidades redundará até mesmo no fechamento do Corpo de Bombeiros Militar, mas, mesmo nas grandes cidades, teremos menos efetivo de serviço. Mudar as escalas dos bombeiros militares é deixar a sociedade ainda mais desprotegida.
Entendemos que o governo do Estado pode, e deve, conter gastos públicos, mas que comece fazendo por serviços não essenciais, como nas funções administrativas, na redução do número de Secretariais Regionais, por exemplo. Cortar recursos numa área tão sensível quanto a defesa da sociedade é uma atitude de irresponsabilidade política e social.

Entendemos que o pedido de exoneração feito pelo coronel Masnik é motivado pela sua resoluta posição em defesa da instituição que comanda, pelo respeito que tem pelo trabalho de seus subordinados, pelo interesse público e pela segurança da sociedade. Sua atitude é digna do cargo que exerce e, portanto, deve permanecer exercendo.

Apelamos às autoridades do governo do Estado para que mantenham o coronel Masnik no Comando do Corpo de Bombeiros Militar, e que sejam respeitadas as necessidades sociais e institucionais incontestáveis em termos de segurança.

Florianópolis, 18 de julho de 2012.
Associação de Praças do Estado de Santa Catarina – APRASC
Amauri Soares - Presidente
Diretoria por Unanimidade



DO QUE É FEITA A ESPADA?

“São valores morais, de honra, orgulho, coragem e lealdade. Mas são valores muito intrínsecos à carreira militar. Liberdade e amor que não estão no dicionário. É por isso tão profundo em cada um de nós, Militares Estaduais”.

Não estamos, mas somos Estado e Governo antropomorfizados. Vestimos o corpo carnal e finito, mas somos anjos imortais da sociedade. Doamos a nossa juventude, o momento mais sublime da nossa vida, em defesa da grei. O nosso acordo de resultados é dar a vida se preciso for. Este é o nosso pacto. A espada, o nosso símbolo de aço eterno. Nós partimos, a espada fica.

Constituímos uma classe pequena. A Academia Militar nos molda, despolitizados, castrados e manietados. Mas a faculdade do senso comum e o desejo ardente de servir ao povo ajudam a lapidar a pedra bruta. Evoluímos. Existimos para servir sem subserviência.

Foi assim que o meu colega Coronel BM JOSÉ LUIZ MASNIK, da Turma Coronel Lopes Vieira, Aspirante-a-Oficial de 4 de dezembro de 1981, sempre enfrentou as missões que assumiu. Jamais tergiversou, sempre liderando os seus comandados com energia, mas sem soberba.

Valeu-se do seu livre arbítrio para entrar de cabeça erguida pelo “Portão das Armas” da Academia de Polícia Militar da Trindade e da mesma maneira o faz agora no crepúsculo da sua carreira. Não pediu, não implorou para ser ou deixar de ser. Não se prendeu à cadeira do Comando. Teve a dignidade de entrar e sair na hora certa. Lega aos que o sucederão uma Corporação moderna e preparada para honrar o lema do Corpo de Bombeiros Militar Barriga-Verde – “Vida Alheia e Riquezas Salvar!”.

Assim é a vida! Um verdadeiro baile. Vamos vivendo e bailando. Recorda, nobre amigo, que “Uma vez terminado o jogo, o rei e o peão voltam para a mesma caixa”. Siga sereno, nosso eterno 01, que serei o último baluarte da turma a apagar a luz e fechar a porta sem no entanto nos curvarmos às injustiças.

Sucesso e um forte abraço fraternal.

FRED HARRY SCHAUFFERT
Aluno Oficial PM n° 12 do 3° CFO/81
Cel PM Presidente da ACORS