Cabeçalho 1

8 de abr de 2012

Três coincidências envolvem dois delegados da era Pavan

Três coincidências chamam atenção no caso de exoneração do delegado Cláudio Monteiro da chefia da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais) da Polícia Civil.

A primeira coincidência: a exoneração de Monteiro representa a segunda queda de delegados da cúpula da Polícia Civil, envolvidos em possíveis irregularidades, que foram empossados pelo ex-governador Leonel Pavan. O primeiro foi o ex-delegado-geral Ademir Serafim. Pavan recentemente foi inocentado pela Justiça das acusações de corrupção e violação de sigilo funcional para favorecer a Arrows Petróleo - distribuidora de combustíveis.

Há praticamente dois anos, em 23 de abril de 2010, Pavan deu posse aos delegados Serafim (delegado-geral) - recentemente preso em suposto envolvimento em jogo de azar em Balneário Camboriú - e Monteiro (diretor da Deic). O secretário da Segurança Pública na época era o também delegado André da Silveira, ex-diretor da academia. Passado o governo Pavan, Monteiro continuou na chefia da Deic, mas subordinado ao promotor de Justiça César Augusto Grubba, atual secretário.

A segunda coincidência é que os dois delegados, Monteiro e Serafim, estão se valendo do trabalho do onipresente advogado criminalista Claudio Gastão da Rosa Filho - o mesmo defensor do ex-governador Leonel Pavan no escândalo da Arrows.

A terceira coincidência é que a associação de classe dos delegados, a Adepol-SC, não se pronunciou - até agora - a favor de nenhum dos dois delegados. Nem no caso do delegado Monteiro, cuja exoneração recebeu uma enxurrada de comentários e solidariedade na internet, a associação lançou uma nota sequer. Nem mesmo no caso envolvendo o delegadado Serafim, que é membro do Conselho de Ética e "ilustre associado" da Adepol, ao lado, coincidênca, do delegado Márcio Colatto, de Balneário Camboriú.

Nos últimos tempos, o site da Adepol já publicou notas sobre política salarial, de falecimento, contra os oficias da Polícia Militar, a favor de soldados de Joinville, mas nada em solidariedade à esses dois delegados. Corporativista é um adjetivo que a Adepol não pode ser acusada.

Mas, claro, são apenas coincidências.