Cabeçalho 1

26 de jun de 2010

Oligarquia hondurenha não tem vocação para a democracia

Por Celso Martins

Faltando pouco para completar um ano de golpe de estado, os direitos humanos continuam a ser violados em Honduras. Homens e mulheres que resistem à quebra da ordem constitucional são perseguidos, ameçados, espancados, sequestrados e mortos todos os dias. O noticiário fornecido pela Rede Morazanica de Informação e o site Defensores en Línea, os comunicados de entidades como o Cofadeh, Codeh e CPTRT e da própria Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP), entre outras fontes, nos revelam um quadro dramático.

As principais lideranças da FNRP estão ameaçadas de morte, o que inclui sindicalistas, professores, intelectuais e escritores, ativistas sociais, camponeses e trabalhadores do campo, indígenas e afro-descendentes. Honduras é dominada por uma oligarquia fechada e violenta que controla os poderes da república - Executivo, Judiciário e Legislativo. O Exército e a Polícia também são alcançados pelos tentáculos oligarcas, regentes da mídia que desinforma, mente, insufla e aplaude a repressão. A ingerência norte-americana é visível, transparente: o embaixador norte-americano aparece duas a três vezes no noticiário (El Heraldo, por exemplo), dando palpites sobre os mais diversos temas da vida nacional hondurenha.

Leia na fonte