Cabeçalho 1

27 de out de 2009

Delegado tira a máquina de jornalista e deleta as fotos

Extraído do Jornal Popular Catarinense

Como se já não bastasse todo o problema que envolveu o delegado Cezar Reynaud e a polícia militar, o jornalista João Batista Coelho Júnior, que trabalhava no momento para o jornal Popular Catarinense, teve a máquina apreendida pelo delegado Rubéns Tomé, da polícia civil de Laguna.

João Batista fotografava a fachada do quartel, quando o delegado, juntamente com Cezar e outros policiais deixavam o quartel da PM, no bairro Paes Leme. Enquanto fazia fotos da viatura, um policial se aproximou e tirou uma foto sua bem na sua frente. Logo em seguida o delegado se aproximou e perguntou se o jornalista era repórter ou da inteligência da PM. "Quando respondi que era repórter e continuei com as fotos ele arrancou a máquina da minha mão, entregou para outro policial em um veículo e simplesmente disse que eu deveria buscá-la na delegacia, e não deu qualquer justificativa para o ato", conta João.

Já na delegacia de polícia de Imbituba, foram quase seis horas de espera até reaver a máquina. "Como não fui informado do paradeiro da máquina e nem do motivo da sua apreensão, até porque as fotos foram na rua e não comprometiam ninguém, tentei registrar um boletim de ocorrência. Então o delegado de Imbituba conversou comigo e minutos depois me entregou o equipamento, com todas as fotos deletadas", lembra.

Além das fotos na frente do quartel, João Batista tinha fotos de vários outros serviços. "O prejuízo para o meu trabalho foi grande, pois fui impedido de mostrar aos leitores, através de imagens, o que aconteceu no dia, pra mim uma clara demonstração de censura", acredita.

O diretor do Jornal Popular Catarinense, Ivani Miranda, esteve na delegacia para reaver o equipamento, mas em vão. Ao entrar em contato com o secretário de Segurança Pública do Estado, Ronaldo Benedet, delegado Tomé retrucou. "Pode ligar e dizer pra ele que sou que estou aqui o palhaço".

As fotos do jornalista, graças a um programa denominado Recuva, pôde ser recuperado e publicadas, como esta que ilustra a matéria desta página. "Pelo menos parte do prejuízo foi minimizado, agora o que eu passei, isto está marcado", fala João.