Cabeçalho 1

5 de mar de 2008

Não é culpa do aquecimento global

A influência do fenômeno metereológico La Niña, em Santa Catarina, resultou em chuvas mal distribuídas desde o dia 20 de janeiro nas regiões Oeste, Meio-oeste e algumas regiões do Planalto Norte. Neste período, nem aquelas chuvas "típicas de verão" aconteceram nessas localidades. Chapecó sustenta o título de maior déficit de precipitação no Estado, com 277,4 mm, seguido por Itapiranga (214,2 mm) e São Miguel do Oeste.

A situação dos municípios mais próximos do litoral é inversa. Em São José e Joinville, tem chovido com muita freqüencia, causando alagamentos e deslizamentos de encostas.

Essa bagunça no tempo está prejudicando a safra agrícola do Verão, já que está atingindo regiões de grande produção agrícola, como o Meio-oeste e Oeste. Soja, feijão e milho estão entre as culturas mais afetadas. Por outro lado, as chuvas em excesso estão danificando as lavouras de arroz, em sua fase final de cultivo, na faixa litorânea e Vale Itajaí.

As informações são da Epagri/Ciram.